Glutamato monosódico – o vilão da boa alimentação
16 de dezembro de 2017
Fernanda Augusta Silva (1 artigo)
Compartilhar

Glutamato monosódico – o vilão da boa alimentação

Um aditivo cada dia mais presente nos produtos industrializados e nos alimentos da dieta diária de adultos e das nossas crianças.

O glutamato monossódico (sigla em inglês MSG – monosodium glutamate) é o sal sódico do ácido glutâmico ou glutamato, aminoácido importante para o metabolismo por ser componente das proteínas estruturais: ele é precursor de GABA, ornitina, citrulina, arginina, poliaminas e prolinas. Além disso, é o neurotransmissor mais abundante que existe no cérebro e é considerado um de seus “combustíveis”. Sua produção ocorre naturalmente, sendo considerado um aminoácido não essencial, ou seja, que não precisa ser adquirido pela alimentação, por ser encontrado em carnes, aves, frutos do mar, leite, tomate, cebola, espinafre, aspargo e soja. Sua função é estimular receptores específicos na língua, produzindo o famoso gosto umami, mais conhecido como quinto sabor. Com esta função, a indústria alimentícia introduziu o aditivo alimentar, tão conhecido, em seus produtos, como pratos congelados em geral (lasanha, nuggets, hambúrgueres), embutidos, salsichas, molho de tomate, macarrão instantâneo, caldos em tablete, shoyo, temperos e sopas em pó; produtos que hoje infelizmente estão cada vez mais presentes na vida das pessoas, principalmente das crianças.

Este aditivo é um neurobloqueador do hipotálamo, que acaba “anestesiando” nosso paladar, fazendo que cada vez mais busquemos ingerir produtos alimentícios ricos em MSG, causando como consequência a obesidade, doença tão comum nos tempos atuais tanto em adultos como em crianças, sendo as últimas as principais vítimas… O glutamato monossódico (MSG) contém a substância neurotóxica chamada excitotoxina, responsável por exercer uma atividade excitatória no sistema nervoso central, sendo apontado como um gatilho de disfunções do aprendizado, concentração, desenvolvimento cognitivo, habilidades motoras, sensação de tempo e espaço e na evolução de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson, e na Doença de Lou Gehrig (esclerose Lateral Aminotrófica). Tem associação também com quadros de depressão, esquizofrenia e epilepsia. Por isso e necessário desintoxicar nossas papilas gustativas para voltarmos a sentir o gosto doce das frutas e reverter os quadros clínicos, principalmente na população infantil, que hoje vem sendo cada dia mais diagnosticada com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade), Síndrome de Asperger, depressão e transtorno de ansiedade. Venho, por meio desta matéria, relatar não só meu conhecimento profissional, mas uma experiência materna pela qual meu filho, hoje com seis anos, havia sido diagnosticado com Síndrome de Asperger, TDAH, transtorno de ansiedade e depressão, e na realidade ele havia sido vítima das consequências das substâncias neurotóxicas do glutamato monossódico, quando apresentou uma regressão no aprendizado e perda da sua capacidade de socialização.

Compartilhe!
Fernanda Augusta Silva

Fernanda Augusta Silva

Nutricionista, (CRN1842) atua na área clínica, nutrição esportiva e está se especializando na área de funcional funcional, fitoterapia e ortomolecular.